terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Serialholic #Pt. 05



E voltamos com os posts  sobre séries. Enjoy!

The Flash - Conta a história de como Barry Allen de tornou o Flash. Apesar dessa personagem ter sido já apresentada em Arrow, The Flash não é um spin-off e assim como a série do Arqueiro Verde é cheia de ação e mistério só que é um pouco menos sombria e mais divertida. Nela, a mãe do Barry foi assassinada por um meta-humano com supervelocidade quando ele era criança, mas ninguém acredita nele e seu pai acaba sendo preso acusado pelo assassinato. Barry então passa a morar com a sua melhor amiga Iris, por quem tem uma queda, e o pai dela Joe. Uma nota: o relacionamento entre Joe e Barry é um dos mais legais da série, Joe é um fofo e é perceptível o quanto ele ama o Barry como se fosse realmente filho dele. Bem, certa noite Barry é atingido por um raio, entra em coma e quando acorda descobre que tem supervelocidade. Com a ajuda de Joe e de mais alguns "amigos", Barry se torna o Flash e divide seus dias entre seu trabalho como forense,  salvar as pessoas e descobrir quem realmente matou sua mãe. Super recomendo essa série!

The 100 - Em um futuro no qual a Terra se tornou inabitável por conta do excesso de radiação as pessoas vivem em uma estação espacial. Por conta da superpopulação, todos os crimes são punidos com a morte e menores de idade ficam presos até completarem 18 anos quando só então são executados. É nesse contexto que 100 adolescentes presos são mandados para a Terra para que descubram se ela já de tornou habitável novamente. Enquanto esses adolescentes lidam com os perigos que encontram na Terra e tentam aprender a formar alguma espécie de comunidade, as pessoas na estação espacial precisam descobrir como lidar com a escassez de recursos e a superpopulação da nave. Não posso contar mais nada sem dar spoilers, mas eu amei o enredo e as personagens (que são muito bem construídas). Ainda não assisti à segunda temporada, mas recomendo muito esse seriado. Ah! Ele é baseado em um livro, mas pelo que me disseram são bem diferentes (até porque só o primeiro livro tinha sido lançado quando a série estreou).

A to Z - Conta a história do relacionamento entre Andrew e Zelda que vão namorar por 7 meses 4 dias e 1 hora, então já podemos esperar um casamento, um término ou uma morte no final (particularmente, torço pela primeira opção). A série é estilo crônica e vai contar o dia a dia das personagens e apesar do foco ser o relacionamento entre eles, também podemos observar o relacionamento deles com seus melhores amigos, Stu e Stephany. É um seriado muito gostoso de se assistir, me apaixonei por ele e estou torcendo para que não seja cancelado.

Outlander - Claire está na Escócia com seu marido Frank em uma espécie de segunda lua de mel, um dia - enquanto está passeando sozinha por Craig na dun - ela toca em uma das rochas e acaba sendo transportada para o passado. Claire acaba sendo ''acolhida'' por alguns highlanders e utiliza seus conhecimentos (porque convenientemente ela conhece muito bem a história e os costumes escoceses dessa época, entre outras coisas) para tentar se adaptar ao mesmo tempo em que tenta descobrir como voltar para casa. Entre os escoceses está o lindo *suspiros* Jamie *suspiros* que sempre protege a Claire. O seriado é muito interessante do ponto de vista histórico e político e o enredo dele propriamente dito é do tipo que prende bastante a atenção. Eu me apaixonei pela série e pelo Jamie. Ah! Também é baseado em uma série de livros e pelo que me disseram parece que o seriado tem sido bem fiel.

Constantine - Baseado numa série de HQ's e, segundo comentários que li/ouvi, mais fiel que o filme. Constantine é um demonologista, exorcista e especialista em arte das trevas que se vê envolvido em uma luta entre o céu e o inferno. Recomendo pra quem gosta da temática sobrenatural. O seriado ainda está no começo, mas eu estou gostando. Curiosidade: O piloto havia vazado meses antes da estreia, mas acabou sendo modificado. A princípio a personagem Liv (minha eterna Marian de Robin Hood) seria uma das principais, mas acabou sendo substituída pela Zed. Eu gosto da Zed, mas fiquei chateada com a saída da Liv porque também gostava dela.

Sleepy Hollow - Ichabod Crane é um soldado inglês que luta ao lado dos Estados Unidos durante a revolução americana até que um incidente acontece e ele quase morre. Depois desse incidente ele acorda nos Estados Unidos da atualidade e descobre que mais de 200 anos se passaram. Ele então se une a subtenente Abgail Mills para lutar contra as forças demoníacas que querem dominar a terra. A série é sobrenatural-apocalíptica e ótima pra quem gosta desse estilo. Tem bastantes referências a personalidades históricas e é legal porque temos mulheres fortes e ativas e personagens negras todas em primeiro plano. No entanto, ainda dá pra perceber um pouco daquele ar de superioridade ianque através do enredo. Eu gostei muito desse seriado, ele tem várias reviravoltas e uns plot twists que nunca tinham passado pela minha cabeça. Super indico. Ps. Apesar da chamada da série focar no cavaleiro sem cabeça, ela vai bem além da história dele.

Reign - A série conta a história de Maria Stuart, rainha da Escócia. E apesar de não ser tão acurada, historicamente falando, é uma das minhas séries favoritas. Gostei muito da construção de todas as personagens e de como elas se relacionam entre si. A primeira temporada foca bastante no triângulo amoroso formado pela rainha Mary, o príncipe da França Francis (Francisco II)  e o filho bastardo do rei (que não existiu de verdade) Bash. Pausa para suspiros porque ele é muito lindo e sexy. #piriguetagmeseriádica É interessante ver também como a presença da Mary vai influenciar no relacionamento dos dois irmãos que protagonizam algumas das melhores cenas desse seriado. Já a segunda temporada foca SPOILER no reinado da Mary e do Francis e dos problemas que eles enfrentam enquanto casais e enquanto governantes SPOILER Reign me lembra um pouco The Tudors, mas sem as cenas de sexo a cada 10 minutos e com um pouco mais de mistério. Recomendo muito.

Downton Abbey - Esse seriado conta o dia a dia de uma família inglesa no início do século XX. Eu gosto porque podemos conhecer um pouco dos costumes e de como funcionavam as relações sociais da época. Tem uma boa dose de drama também. eu recomendo pra quem gosta de séries no estilo crônicas.

Doctor Who - É uma série da BBC que estreou em 1963, saiu de ar depois de 26 temporadas e voltou à televisão em 2003. Eu não assisti a série antiga, mas tenho acompanhado a nova. O seriado gira em torno do "Doctor" um alienígena da  raça (espécie?) dos Senhores do Tempo que viaja através do tempo e espaço em uma TARDIS (Tempo e Dimensão Relativas no Espaço - Time and Relative Dimensions in Space ). O Doctor está sempre acompanhado de uma companion feminina (mas com quem ele não vai necessariamente ter um relacionamento amoroso) e ocasionalmeto de um companion masculino também. o Doctor e seus companheiros estão sempre enfrentando vilões e salvando o Universo. Essa série é uma das queridinhas dos nerds pelo mundo a fora e é uma das minhas preferidas. Pra quem gosta de ficção científica ou de reflexões sobre o comportamento humano, a sociedade etc é um prato cheio!

Sanditon - É uma websérie dos mesmos produtores de TLBD e é baseada em um conto inacabado de Jane Austen. Apesar da protagonista ser a fofa da Gigi Darcy, eu achei extremamente chata.

Emma Approved -  Baseado no romance "Emma" de Jane Austen essa websérie se passa no mesmo universo de TLBD e Sanditon (e por conta disso o primeiro nome do Mr. Knightly foi trocado de George para Alex, para que não fosse confundido com o George Wickham - só uma curiosidade). Ela segue também o mesmo padrão de suas antecessoras no quesito interação com os telespectadores ao criar diversas redes sociais para as personagens. Eu amei quase tanto TLBD e super recomendo.

The Jane Eyre Autobiography - Essa websérie se baseia no romance Jane Eyre de Charlotte Bronte. A duração de seus episódios varia muito, alguns são de apenas 2 minutos enquanto outros duram meia hora. Ela parece ser uma produção mais caseira que TLBD e suas sucessoras e não há tanta interação com os telespectadores, no entanto é uma ótima websérie e eu gostei muito. Super recomendo.

Confira as postagens anteriores:
Parte 1
Parte 2
Parte 3
Parte 4

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Princesa Adormecida

Era uma vez uma princesa... Você já deve ter ouvido essa introdução algumas vezes, nas histórias que amava quando criança. Mas essa princesa sou eu. Quer dizer, é assim que eu fiquei conhecida. Só que minha vida não é nada romântica como são os contos de fada. Muito pelo contrário. Reinos distantes? Linhagem real? Sequestro? Uma bruxa vingativa? Para mim isso tudo só existia nos livros. Meu cotidiano era normal. Tá, quase normal. Vivia com meus (superprotetores) tios, era boa aluna, tinha grandes amigas. Até que de uma hora pra outra, tudo mudou. Imagina acordar um dia e descobrir que o mundo que você achava que era real, nada mais é do que um sonho. E se todas as pessoas que você conheceu na vida simplesmente fossem uma invenção e, ao despertar, percebesse que não sabe onde mora, que nunca viu quem está do seu lado, e, especialmente, que não tem a menor ideia de onde foi parar o amor da sua vida. Se alguma vez passar por isso, saiba que você não é a única. Eu não conheço a sua história, mas a minha é mais ou menos assim... (Sinopse retirada do skoob)


Será que ainda sei fazer resenha? Bem, vamos tentar. Quando a Paula Pimenta anunciou que lançaria uma série de releituras contemporâneas de conto de fadas, inclusive uma versão estendida de Princesa Pop (conto que ela escreveu para a antologia O Livro das Princesas), eu dei pulos de alegria. Ela é uma das minhas escritoras preferidas e, além disso, todos sabem que eu amo contos de fada então essa era a mistura perfeita pra mim.

Quanto ao enredo, não há muito o que falar. Princesa Adormecida é, como o nome sugere, uma releitura de A Bela Adormecida (da versão da Disney, para ser mais específica), logo a história vai seguir a mesma linha. O interessante é ver como a Paula pega os elementos maravilhosos da história "original" e os transfere para o mundo real. Eu estava mega curiosa para saber, por exemplo, como ela faria com a maldição do sono e com o beijo quebrando o feitiço e achei super criativa a solução que ela achou. Nunca que eu ia pensar nisso!

E as personagens foram muito bem construídas. Me encantei pelos tios da Rosa e achei bem mais interessante por eles representarem as fadasA Áurea/ Rosa também me encantou, mas quis dar uns petelecos na cabeça dela porque quem, em sã consciência, começa a se envolver com alguém da maneira como ela e o Phil começaram!!!??? Será que a guria não se dava conta do quanto isso é perigoso!? Vocês que também leram o livro, por favor, não façam isso em casa. E por falar em Phil, o Filipe era ora um fofo ora doce demais. Particularmente, achei ele um pouco enjoadinho (mas tinha hora em que eu me derretia toda com ele - principalmente no final do livro. Vai entender!).

Ah! E a Cíntia de Princesa Pop faz uma aparição no livro. Achei isso superlegal. Enfim, Princesa Adormecida foi uma leitura muito gostosa, flui levemente e acabou muito rápido deixando gosto de quero mais. Dá pra ler em um dia e eu recomendo muito pra quem gosta da temática ou quer uma leitura leve para distrair.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Capa da Monografia + Arte de Hunter Lowis

Desde que decidi as obras que trabalharia na monografia (A Bela e a Fera e A Pequena Sereia) eu também decidi que não usaria as versões da Disney, apesar de amá-las, na capa. E depois que troquei a Pequena Sereia por Ondina, aí mesmo é que se tornou inviável usar a versão da Disney. A única certeza que eu tinha é que eu queria uma capa diferente, que chamasse atenção e fosse absolutamente linda. Depois de muito pensar eu finalmente decidi o que eu queria, mas aí apareceu outro problema: encontrar imagens que se encaixassem com o que eu tinha em mente. Foi aí que eu decidi contratar alguém para desenhar o que eu havia imaginado e foi a melhor decisão que eu já tomei.

Luís Gustavo Sodré, que atende pelo nome artístico de Hunter Lowis, é um desenhista, estudante de psicologia nas horas vagas e amigo meu. Então liguei pra ele, expliquei minha ideia e pedi que ele elaborasse um orçamento. Depois do orçamento combinado e eu ter contratado seus serviços começou todo o processo de elaboração e, gente, eu sabia que ia dar um certo trabalho, mas não imaginei que seria tanto! Mesmo eu dando uma certa liberdade para ele criar as personagens a partir da visão dele, ele fez questão de que eu acompanhasse cada passo, sempre me mandado sketchs pra que eu opinasse ou dissesse qual eu havia preferido. Às vezes a diferença de um desenho para outro era tão pequena que eu passava vários minutos pra conseguir descobrir qual era (tipo: os desenhos eram idênticos e só mudava o olhar da Fera) e quando eu mostrava pra mamãe ela concluía que Gustavo era maluco porque não havia diferença nenhuma entre um desenho e outro. Além disso, ele fez questão de ler tanto A Bela e a Fera quanto Ondina para que pudesse compreender melhor as personagens para desenvolver sua versão delas. No final, A Bela e a Fera ficaram como eu havia imaginado e Ondina ficou bem diferente da concepção original (apesar dele ter mantido a essência da minha ideia, que era ela se desfazendo em água), mas muito melhor do que eu havia imaginado. A baixo, vocês podem observar melhor como foi esse processo de construção da capa.

Eu tentando explicar minha ideia pra Gustavo
Como vocês podem ver na sketch acima, minha habilidade de desenho é altíssima. Esse desenho é quase um Picasso! Eu poderia muito bem ter feito a capa eu mesma, mas como não teria tempo achei melhor contratar alguém.

Logo depois de fechar o contrato com Gustavo, ele me mandou alguns sketchs para que eu pudesse ver a disposição das personagens e ir logo sondando as aparências.

Minha ideia original era mais ou menos essa, mas sem o barquinho.


Depois desses primeiros modelos foi que ele decidiu ler as histórias e então começou a me enviar sketchs das personagens individualmente.

Sketchs da Fera





Tiveram mais alguns sketchs da Fera, mas não consegui achar as que me foram enviadas pelo whatsapp. :(

Sketchs da Bela 


Qualquer semelhança com a Fuu não é mera coincidência


Sketchs da Bela e da Fera juntos

Sketchs de Ondina



  Sketchs finais



Jogo do 1 erro: Encontre a diferença entre os desenhos. (Sim. Eles são diferentes.)

Arte final:

Ao vencedor as batatas! Ops! Obra errada.
Não ficou simplesmente linda essa capa? E eu ainda ganhei um bônus. Como eu tava muito um pouco desesperada porque ainda tava concluindo alguns detalhes da monografia e ainda teria que editar a capa (e não tinha ideia de como fazer isso), Gustavo se compadeceu de mim e editou tudo (lembrando que isso não era parte do serviço, foi só um favor mesmo que ele fez pra mim):

Não tá linda demais!???
Como tudo ficou pronto em cima da hora, mea culpa,  não deu tempo de eu mandar imprimir versões em capa dura para a banca como eu havia planejado, então eu mandei imprimir normalmente e o resultado foi esse:
Depois da defesa (btw, tirei 10,0 galera #me achando), eu fiz alguns ajustes e mandei imprimir a versão final em capa dura:
O bebê com brochura foi o que eu entreguei pra UFMA e o espiralado foi o que eu fiquei.
Só demorei a fazer esse post porque levei alguns meses (pra vocês terem uma ideia, minha defesa foi em julho!) pra mandar imprimir de novo porque toda vez que eu ia na gráfica tava uma fila gigantesca!
Enfim, se você está querendo algo diferente pra capa do seu tcc, seja ele o que for, pro seu convite de casamento, pro seu convite de aniversário, pra colocar em um quadro na sala, no quarto, pra whatever e está pensando em contratar um artista/designer/pintor/não sei a denominação certa pra fazer isso eu super recomendo que você o faça. O preço pode até te parecer caro a princípio, mas vale super a pena. E se  levar em consideração o trabalho que o artista terá tentando conceber algo que te agrade e o tempo que ele gastará nisso nem vai parecer tão caro assim.
Se você gostou dessa capa maravilhosa (que eu ainda não consegui parar de babar porque é linda demais e eu já disse isso umas cinquenta vezes aqui) e quer conhecer um pouco mais do trabalho do Hunter Lowis é só acessar as redes sociais dele:
Tumblr (lembrando que aqui não tem só as ilustrações que ele faz)
E se você quiser contatá-lo para fazer um orçamento aqui vai o telefone dele: 987065948 (você também pode contatá-lo via face)
Ah! E se você nunca leu A Bela e a Fera ou Ondina, eu acho você deveria porque são bem legais e aí nós poderíamos amar a Fera e odiar o Huldbrant juntos. ;)


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Wishlist 2014



Final de ano chegou e começou o corre-corre para comprar presente. Pra facilitar a vida de quem me tirou em algum amigo-invisível ou quer me dar um presente de aniversário, fiz novamente uma wish-list de fim de ano.

- Capa para o kindle.

- Agenda 2015. Pode ser da Jolie (da japinha, por favor), das menininhas (da Lil), do Pooh, do Pequeno Príncipe, Sininho, Smilinguido, etc. Pra mim tanto faz desde que seja uma agenda fofa e não aquelas agendas sérias e sem graça.

- Bijuterias/Joias: brinco, cordão, pulseira, tornozeleira, anel. Podem ser grandes ou pequenos, discretos ou coloridos, tanto faz. (Também aceito joias desse site aqui.)

- Calça amarelo-ouro ou roxa (tamanho 38)

- Saia longa de cintura alta.

- Sapato ou rasteirinha preta (costumo calçar tamanho 36)
 
- Bolsa (foco nessas cluchts porque não custa nada sonhar)


- Porta retrato de parede (branco, rosa-choque ou roxo)

- Estojo de sombras.

- Rímel.

- Delineador de olhos.
- Camisas ou vestidos com temáticas de filmes, livros, séries, animes ou desenhos. Só certifique-se de que seja um tema que goste. (Eu vi um vestido de TARDIS lindo uma vez, mas não consegui achar o site agora. Fica a dica caso alguém queira procurar. ;])


- CD
 
- DVD
 
- Livros:
A Ameaça Invisível, Bárbara Moraes 

Na Passarela, de Meg Cabot
  Nada Dramática, de Dayse Dantas

O livro dos VILÕES, de Cecily von Ziegesar, Carina Rissi, Diana Peterfreund, Fábio Yabu

Eu me chamo Antônio, de Pedro Gabriel
  To Die For, de Sandra Byrd
Métrica, de Colleen Hoover
Ugly Love, Colleen Hoover
Azar o Seu, de Carol Sabar A Última Nota, Felipe Colbert e Lu Pires
Quatro Amores, de C. S. Lewis
A Escola do Bem e do Mal, de Somaan Chainani
Cristianismo Puro e Simples, de C. S. Lewis

Pobre não tem sorte, de Leila Rego
  Se Você me visse Agora, de Cecelia Ahern

Dragões de Éter (a trilogia), de Raphael Draccon

Emma, de Jane Austen
  Persépolis, de Marjane Satrapi
  Garotas de Vidro, de Laurie Anderson
  Os 13 porquês, de Jay Asher
  O Sr. Pip, de Lloyd Jones 
  Outono de Sonhos, de Adriana Brazil
  O Festim dos Corvos, de George R. R. Martin
  Paixão sem Limites, de Abbi Glines
  O Segredo de Emma Corrigan, de Sophie Kinsella
  Lembra de mim?,  de Sophie Kinsella
  Mordida, de Meg Cabot

- Graphic Novels:

Como eu realmente, de Fernanda Nia
Fábulas (Vertigo)
O Inescrito (Vertigo)
Sandman, de Neil Gaiman
Bear, de Bianca Pinheiro

- Coisas inspiradas em livros, séries, filmes, animes ou desenhos são sempre bem vindos.

Adendo: Também aceito itens dessa lista aqui. Principalmente os 2 (preciso de um desses!), 4, 6, 8, 12, 16 (preciso de um desses!), 18, 22 e 23. 
Amores, mesmo esquema do ano passado pra quem estiver com medo de comprar presente repetido: É só me dizer (anonimamente ou não) o que comprou que eu tiro da lista.



Ps. Os itens riscados desse jeito já foram comprados por alguém. :)



NOT-WISHLIST: O que não me dar de presente
- Sabonete.

- Diários.

- Perfumes. Eu AMO ganhar perfume, mas eu já tenho suficiente até completar uns 30 anos. Não é brincadeira, a minha Becky Bloom interior deu às caras e eu banquei a louca dos perfumes em Miami. Então isso não é algo que eu vá precisar ganhar tão cedo.

- Roupas. Outra coisa que eu amo ganhar, mas já estou ficando sem ter onde guardar. Então a não ser que seja uma das roupas que eu pedi na outra lista ou seja algo que você ache muito a minha cara, não me dê roupas, por favor. Principalmente blusa ainda mais se for camiseta estilo T-shirt ou for preta. Nem calça jeans.

- Batom/gloss labial. Amo ganhar, já tenho bastante.

domingo, 12 de outubro de 2014

Top 3 Filmes / Dia das Crianças / Dia das Bruxas

Como em outubro temos tanto o dia das crianças quanto o dia das bruxas, isso quer dizer que Abracadabra S2 deve passar (já passou?) na sessão da tarde pela milionésima vez. Pensando nisso eu resolvi fazer um top 3 de filmes infantis de bruxas para comemorar o dia das crianças esse ano.

1. Abracadabra
Esse filme era um dos meus preferidos quando eu era criança. Divertido, um pouco assustador (ei, eu tinha uns 6 anos quando assisti a ele a primeira vez, relevem) e muito legal. 



2. Convenção de Bruxas
Bruxas se reúnem com o objetivo de transformar todas as crianças do mundo em ratos, mas dois garotos acabam descobrindo tudo. Só podia dar muita confusão né? Sem contar que é baseado em um livro de Roahl Dahl, o mesmo autor de A Fantástica Fábrica de Chocolates e Matilda. Esse é outro filme que marcou minha infância.

  

3. Harry Potter e A Pedra Filosofal
Eu não queria colocar HP na lista porque são 8 filmes no total, além disso, eu não acho que todos possa ser considerados infantis (o que é bem legal pra quem acompanhou os lançamentos porque acabou crescendo com as personagens e com a história). Sem contar que tem bruxos bons e maus em HP e eu queria focar no estereótipo de malvados, mas não consegui lembrar de nenhum outro filme onde as bruxas fossem a temática e a verdade é que esse é filme é muito legal.




Bônus - filmes infantis com fantasmas:

Gasparzinho, o fantasma camarada



Gasparzinho e Wendy
O fantasminha camarada e a bruxinha boa :)



E aí? Quais filmes de bruxas ou fantasmas marcaram a infância de vocês? Quais filmes vocês acrescentariam nessa lista?

Btw, Feliz dia das crianças!

domingo, 8 de junho de 2014

Exposição Terminais São Luís

Era pra eu ter escrito esse post há umas duas semanas, mas só agora consegui uma folguinha pra dar um pulo aqui. Pra quem não sabe tá acontecendo a exposição fotográfica "Terminais SLZ" no Shopping da Ilha até o dia 10.06 (sim, dia 10 já é terça eu sei xp).
A exposição é muito interessante e fica aqui aqui a dica pra quem puder dar um pulo lá pra ver que vale a pena. Eu queria comentar com mais detalhes o que eu achei da exposição, mas tenho que voltar a estudar então pra quem quiser saber mais sobre o objetivo do projeto, sobre os fotógrafos envolvidos e até ver algumas das fotos da exposição é só clicar aqui

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Look do Dia

Enquanto não arrumo tempo pra postar sobre as últimas viagens que fiz vamos a mais uma coluna de look do dia. Espero que vocês gostem. 

A blusa Doctor Who eu comprei na Books-A-Milion em Miami, mas esse tipo de camisa é fácil de se achar na internet, é só procurar. A calça Polo eu comprei na loja da marca também nessa viagem, mas já vi calças parecidas no Cohatrac (na Show Modas tinha até pouco tempo atrás) e lá pelo centro também deve ter. Os tênis são all-star e eu os tenho há anos. Foi amor à primeira vista. Passei semanas babando ele na vitrine da Public Store quando voltava da escola até que comentei com mamãe e ela comprou-os pra mim. S2 A cartola (acho que esse chapéu é uma espécie de cartola, mas não tenho certeza) eu comprei em Copacabana, mas sei que vende também aqui em São Luís, só não sei onde. A bolsa é da marca Chenson e eu comprei no Outlet em BH. Esse look eu usei hoje ontem pra ir dar aula no estágio e no trabalho.
Domingo eu usei uma versão um pouco mais elaborada desse look pra ir à igreja:

Nesse caso eu troquei a bolsa-mochila por uma bolsa de ombro da Guess que comprei na loja da marca também em Miami e os all-star eu troquei por uma plataforma da Zatz que eu comprei na Polyèlle.
Espero que tenham gostado.